Elis Regina e sua “força estranha”, era Pimentinha e também um furacão

Um grande teatro era pequeno para Elis, ela não se formou em nada, mas tinha cultura e forte posicionamento político. Foi uma das maiores cantoras e intérpretes do Brasil. Sua voz e presença política eram sua marca registrada. Forte crítica ao regime militar que assolou o Brasil entre 1964 e 1985. Ela falecera aos 36 anos, em janeiro de 1982. O laudo médico apontou overdose acidental de álcool e cocaína. Ela sempre dizia: “A gente dá um tiro, quem mata é Deus.”

Muito politizada, se pronunciava em entrevistas, televisão e em músicas que cantava contra a censura e opressão do governo militar. Em muitas interpretações, Elis denunciava a ditadura militar, como na música “Como nossos pais” (1976):

“Por isso, cuidado meu bem Há perigo na esquina Eles venceram E o sinal está fechado prá nós Que somos jovens” (Belchior)
e “O bêbado e o equilibrista” (1979): “Que sonha com a volta do irmão do Henfil Com tanta gente que partiu num rabo de foguete Chora a nossa pátria mãe gentil Choram Marias e Clarisses no solo do Brasil” (Aldir Blanc / João Bosco).

Foi perseguida, intimidada, teve que se curvar uma única vez, quando foi forçada a se apresentar para os militares em uma Olimpíada do Exército. Ela temia por seus filhos que eram pequenos e, sem ela, teriam uma vida incerta. Por conta deste episódio, foi rechaçada pelo jornal “O Pasquim” e passou a ser vaiada em shows, por um período.

Elis não gostava da cantora Rita Lee. No entanto, em 1976, quando Rita Lee foi presa enquanto estava grávida, Elis Regina foi a única pessoa a se pronunciar e visitar a cantora. Elis exigiu melhor tratamento para Rita e sua libertação. Depois disso, ambas se tornaram amigas pessoais e de palco. Elis colaborou, ajudando nas composições “Doce de pimenta” e “Alô, alô marciano”, composições de Rita Lee e Roberto de Carvalho. Elis Regina deu o nome de sua filha, Maria Rita, em homenagem à Rita Lee.

Sempre criticava os donos das gravadoras que só pensam no “$” cortado, dizendo serem prepotentes, cheios de marketing e merchandising. Se dizia impertinente e petulante, mais até, que eles todos, os diretores de gravadoras. Ela, ao falar, sempre usava trechos de músicas, tipo, “que ficar sempre atento e forte”. “Tô levando a vida muito séria, e hoje eu quero mais ‘mamãe, eu quero’, sem muita ‘lata d’água na cabeça”.

Falava muito contra as coisas importadas e que colocavam nas cabeças das pessoas, uma contra cultura, fora da cultura oficial. Dizia se sentir castrada no governo militar: “…tínhamos que usar meias palavras, andando em cima de coisas muito delicadas”. Por outro lado, dizia: “sabor de que – ‘sabor de veneno’ – ‘eu de careta não tenho nada’. ‘Loucura é loucura, tem que deixar ela solta, andando por aí'”.

A gaúcha Elis gostava muito de São Paulo:

“Ser contemporâneo é ser paulistano, com aquele concreto cinza e aquela garoa”.
“Alguém um dia vai escrever um livro com minhas frases loucas.”
“Porre de dia de ano novo, que tudo fica bonito. Você quer sair na rua, quer abraçar todo mundo.”
“Eu não tô, a fim de usar camisa de força.”

Fundou a “ASSIM” – Associação de Intérpretes e Músicos, ninguém se associou, nem ela. A associação, por falta de músicos interessados, jamais foi registrada. O intuito da iniciativa era o de solucionar os problemas da classe, defendendo os músicos. Mas os músicos não se deram conta, e a “ASSIM” não vingou. Deixavam o Presidente da Ordem dos músicos ser até o presidente do sindicato dos músicos. Elis tinha bronca de discotecas e dizia: “Cada discoteca que abre são 5 músicos desempregados.”

A sua última entrevista foi : Elis Regina – Última entrevista – Jogo da verdade

Por Guilhobel A. Camargo – Gazeta de Novo

Compartilhe nas suas redes socias!

2 respostas

  1. Sou fã da Elis, de suas músicas e de seu posicionamento político!!!! Sinto muito por sua dependência química ter culminado em sua morte tão jovem, assim como essa doença tão grave levou a vida de tantos jovens artistas!!!! Teve uma grande importância na luta contra a ditadura militar. Muitos agrupamentos da militância da época usavam trechos de suas músicas e de outros cantores, que também limitavam na esquerda, para enviarem mensagens de um grupo para outro!!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *